(CONVENTO DE) SÃO FRANCISCO – O PADROEIRO DA PRECARIEDADE

Em resposta a uma pergunta dos deputados dos Cidadãos por Coimbra na Assembleia Municipal de Dezembro passado, o Presidente da Câmara Municipal garantiu que estava a decorrer o concurso para a contratação da empresa que iria assegurar os serviços técnicos e de produção do Convento de São Francisco a partir de 1 de Março, após o final dos contratos que expirariam nessa data. O concurso foi efectivamente aberto (prevendo uma incompreensível redução de pessoal em relação ao período anterior), mas o novo contrato ainda não foi assinado e há mais de duas semanas que o Convento funciona praticamente sem funcionários e sem direcção técnica, contratando serviços “à peça” para funções que a casa deveria ser capaz de assegurar, como o acolhimento técnico de espectáculos e de outras iniciativas. Para além de onerar desnecessariamente as contas públicas, isto afecta a qualidade do serviço público que o Convento presta e levanta inclusivamente questões de segurança, para trabalhadores e espectadores.

Apesar de transitória, esta situação, que a Câmara Municipal tinha obrigação de ter evitado, torna ainda mais visível o regime de precariedade (ou “contingência”, como preferiu chamar-lhe Manuel Machado) em que o Convento nunca deixou de funcionar desde a sua abertura.

Mesmo com a assinatura do novo contrato (para quando?), uma boa parte dos funcionários do Convento, que garante a realização dos espectáculos, a organização dos congressos, a planificação do sector educativo e demais valências da casa, continuará a trabalhar a recibos verdes e em regime de subcontratação. Muitos dos funcionários que prestaram serviços durante meses no âmbito dos contratos anteriores, assegurando funções permanentes que deveriam estar cobertas por um contrato de trabalho, seguros e protecção social, foram simplesmente descartados, sem sequer uma palavra de agradecimento pelo trabalho realizado.

Depois de um começo atribulado, com atrasos, derrapagens orçamentais, infiltrações e mudança de empreiteiro, o caminho percorrido tem sido tortuoso, com ajustes directos pouco claros e com um modelo de gestão ainda por definir, apesar da  intenção de criar uma empresa municipal que tarda em ver a luz do dia. Há dezenas de trabalhadores que aguardam a concretização de um concurso  que virá suprir as necessidades permanentes de mão de obra desta casa.

Para que o Convento cumpra a sua função de espaço de excelência, é preciso assumi-lo em pleno como equipamento municipal, o que necessariamente implica reconhecer que são necessários funcionários a tempo inteiro, que conheçam a casa e que nela trabalhem com condições dignas. Só uma equipa residente de técnicos, programadores, produtores, assistentes de comunicação, mediadores culturais pode garantir qualidade para quem apresenta no Convento as suas produções artísticas e/ou científicas, a segurança do edifício, a integridade e o bom funcionamento do seu equipamento.

 

Sílvia Franklim, Cidadãos por Coimbra

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s