PRAXE, DEMOCRACIA E DIREITOS HUMANOS

As tradições constituem referências identitárias importantes. Porém, é um erro considerá-las a essência imutável das comunidades, cuja alteração corresponderia a uma perda das identidades em causa. Na realidade, as culturas são sempre dinâmicas, evoluindo segundo dinâmicas diversas. Assim tem acontecido com a praxe académica coimbrã, cujas práticas se têm transformado ao longo do tempo, acompanhando as mudanças na academia e na sociedade. De resto, é esta transformação que, perante praxes cada vez mais frequentes, que envolvem violência física, sexual, psicológica e simbólica, destruição de património público e privado, ou comportamentos que ferem a dignidade dos/as participantes e dos/as conimbricenses, permite aos “puristas” da praxe académica persistirem na sua defesa, com o argumento de que as referidas práticas não teriam acontecido na “antiga e verdadeira praxe”.

Porém, se é verdade que a praxe evolui com a sociedade – nomeadamente na sua massificação (o uso das redes sociais para convocar “mega-praxes” em que multidões de estudantes embriagados/as invadem a cidade, com comportamentos e linguagem degradantes, deixando um rastro de lixo e estragos), na sua sexualização machista e agressiva, e, sobretudo, na sujeição às lógicas de um mercado que cresce exponencialmente –, mantém-se a matriz hierárquica, autoritária, humilhante, promotora da obediência cega a códigos e normas sem sentido. Ou seja, é impossível separar a “verdadeira praxe” da praxe tal qual se faz, hoje, em Coimbra. E, por conseguinte, é enfrentando este facto, e não com mitologias do passado, que é preciso intervir no sentido de contrariar um fenómeno anticívico que tem, progressivamente, alienado mais estudantes e a cidade de Coimbra.

Os/as próprios/as estudantes deram, recentemente, um passo importante neste sentido. Num referendo, mais de 5000 estudantes recusaram a realização da tradicional garraiada na Queima das Fitas. Trata-se de uma votação assinalável e que deve ser aplaudida como uma vontade de modernizar a tradição, no sentido de dela erradicar as práticas que violam os direitos dos animais. Ora, esta votação foi rapidamente contrariada pela autoridade máxima da praxe – o Conselho de Veteranos –, numa manifestação autocrática que não surpreende, no contexto de uma praxe que é, organicamente, antagónica à democracia. Se bem que esta decisão, rejeitada pela Presidência da AAC e pelo Dux Veteranorum, tenha sido anulada, aguarda-se decisão definitiva dos veteranos.

Este processo está a ter a virtude de mostrar à comunidade estudantil e à cidade que a praxe é avessa à conceção moderna de direitos e que tem de ser radicalmente alterada. Mostra também que podem e devem ser os/as estudantes a fazê-lo. Oxalá perseverem no exercício da democracia e alarguem a contemplação de direitos à dignidade humana dos/as colegas a quem, nos rituais praxísticos, não só apelidam de “animais” como, com demasiada frequência, tratam pior que os ditos.

 

Catarina Martins, Professora Universitária, Membro do Movimento Cidadãos Por Coimbra

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s