MAIS (UMA) PRAIA FLUVIAL

Errática.

É a forma como são programados os investimentos municipais por esta autarquia. Primeiro, vem uma ideia a público, depois “logo se vê”. Vejamos dois exemplos: o Coimbra International Airport e as praias fluviais.

No primeiro, a ideia foi desenhada à “mão levantada” pelo presidente da CMC como bandeira de campanha autárquica, sem que (se) soubesse se era viável, ou seja, foi desenhada apenas e só como uma “ideia gira” para a cidade e, quiçá, para a região. Finda a campanha e iniciado o mandato, lá se soube que existiam uns estudos para o efeito na CMC, mas são se sabia onde paravam. A custo foram encontrados e serviram para dizer que têm de ser revistos. Pois bem, a obra esteve para avançar de imediato antes disso, a sua localização já passou a ser Monte Real e neste momento logo se verá quando e onde vai ser.

O segundo caso é a “praia” do presidente da CMC e um postal ilustrado do seu modelo de governação: não ser como as águas do rio e não ter uma direção nem um sentido para os investimentos na cidade. Para este presidente, fazer uma praia junto ao Choupal ou fazê-la no Rebolim é a mesma coisa. O que (lhe) interessa é ter uma praia mais próxima da cidade, para poder dizer que é uma praia fluvial urbana, mesmo não o sendo. Mesmo não oferecendo nada diferente do que é oferecido há anos pela (sucessivamente premiada) praia de Palheiros e Zorro. Para este presidente, o que interessa é ter outra praia. Mais uma, rio abaixo. Mesmo não sabendo para quem e não dizendo quais são as características vantajosas que o Rebolim tem, se comparado com outros setores das margens do Mondego, claramente urbanos. Mesmo não dizendo qual será o conceito que estará na base do seu projeto e mesmo sem assegurar que, por ser um investimento público, o projeto será objeto de concurso público ou desenvolvido com a participação da população.

Numa das primeiras ações de campanha para as  autárquicas de 2017, o CpC trouxe a público uma visão para a cidade defendida há muito: a sua recentragem no rio. Defendeu esse conceito, como continua a defender, entendendo que os investimentos no Mondego devem constituir fatores de estimulação económica, reforço da coesão social e (re)qualificação paisagística e ambiental da área central da cidade.

Nessa altura defendeu-se uma praia fluvial, mas claramente urbana. Um espaço que valesse pelo usufruto e pela sociabilização que poderia proporcionar, com base em características diferenciadoras. O mote era o Mondego, mas o objetivo não era (apenas) mais uma praia fluvial. Era a criação ou requalificação de espaço público com relação direta com o rio para que quem quisesse fosse a banhos, porque o que a cidade precisa não tem resposta por via da quantidade, mas tão só por via da qualidade. Não é “mais uma praia”, mas sim “mais praia” que Coimbra precisa. Mas, infelizmente, a criatividade e o discurso da qualidade são desconhecidos por estes autarcas. A começar pelo presidente.

Temos pena!

Adelino Gonçalves, Professor da Universidade de Coimbra, Movimento Cidadãos por Coimbra

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s