Greve Climática, Árvores e Mobilidade Sustentada

No passado dia 15 de Março, mais de mil estudantes do ensino secundário manifestaram-se em Coimbra, exigindo medidas em defesa do ambiente e de combate às alterações climáticas. “Mudem a política, não o clima” e “Não há planeta B” foram duas das palavras de ordem gritadas em várias cidades nacionais, no âmbito da Greve Climática Estudantil, uma iniciativa reconhecida como histórica pela dimensão que atingiu, envolvendo milhares de alunos em Portugal e mais de uma centena de países em todo o Mundo.

O movimento Cidadãos por Coimbra saúda os estudantes e as comunidades escolares que participaram na acção, pelo exemplo de participação e de preocupação com o ambiente que dão à generalidade da população mas também pelo desafio – frontal e directo – que ousaram colocar às instituições oficiais que devem garantir uma gestão sustentável dos recursos naturais e a diminuição de emissões de gases com efeito de estufa.

Entendem as eleitas e os eleitos pelo CpC que ninguém pode ficar indiferente aquele que é o mais decisivo desafio da Humanidade, não num futuro longínquo ou num espaço confinado, mas sim no imediato e em todos os territórios em que nos movemos. Perante o agravamento acelerado do fenómeno das alterações climáticas, nenhuma política pode ser pensada sem ter em conta o seu impacto no aquecimento global.

Disso falávamos no programa com que nos apresentámos às últimas eleições; para isso temos chamado a atenção em vários momentos da nossa intervenção.

Por exemplo, quando denunciamos os abates de árvores injustificados em vários pontos do concelho e a não substituição de muitas das árvores cortadas por motivo de doença, em alguns casos com a eliminação definitiva das respectivas caldeiras.

Ou, também, quando propomos uma política sustentada de mobilidade, assente na utilização dos transportes públicos, única forma de garantir a diminuição do trânsito e da poluição automóvel no concelho e, em particular, nos acessos ao centro da cidade. A este respeito, congratulamo-nos com duas decisões recentes da Câmara Municipal, enquadradas pelo Programa de Apoio à Redução Tarifária nos Transportes Públicos: a redução das tarifas dos passes sociais nos autocarros dos SMTUC e a anunciada extensão da rede actualmente existente a zonas que ainda não estavam cobertas. As duas medidas correspondem a uma melhoria do serviço prestado pela Autarquia e contribuem para o aumento da qualidade de vida dos munícipes. Lamentamos, no entanto, a ambição muito limitada desta expansão da rede, que fica muitíssimo aquém daquelas que são as necessidades da população e que se limita a responder, com vários anos de atraso, às mais do que justas reivindicações dos habitantes de Almalaguês, Zorro, Antanhol e Loureiro. Esta falta de ambição é particularmente preocupante no ano em que a Câmara Municipal vai renegociar as concessões com as transportadoras privadas que operam no concelho e deixa antever o desperdício de uma flagrante oportunidade para recolocar o interesse público acima dos interesses privados.

Em matéria de ambiente, não basta às instituições e aos seus responsáveis dar palmadas nas costas a quem vem para a rua dizer que é preciso mudar de rumo. Isto é mesmo para levar a sério, é mesmo preciso mudar de políticas, é mesmo preciso fazê-lo já.

 

Intervenção do deputado Municipal do CpC Pedro Rodrigues

Assembleia Municipal de 27/03/2019

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s